Posted on: Outubro 1st, 2020 by João Raposo No Comments

ms18122908

NO ÂMAGO DAS BOAS FESTAS

Posted on: Dezembro 24th, 2018 by João Raposo No Comments

 

Agradecemos do nosso âmago a todos, contamos com todos vós para juntos sermos cada vez melhores e mais felizes no âmago da Eficiência Energética

A todos Boas Festas e melhores entradas

 

 

PORTUGAL2020 “Vale Internacionalização”

Posted on: Junho 25th, 2018 by Catarina Vilão No Comments

 

ALG-02-0752-FEDER-005211

De acordo com a Parceria adotada por Portugal e pela Comissão Europeia, PORTUGAL2020 a Âmago Energia Inteligente apresentou uma candidatura no Programa Operacional Regional do Algarve apoiada pelo FEDER com o Projeto “Plano Estratégico de Internacionalização do Software Gemax – Vale Internacionalização”, ao qual foi aceite.

O mesmo consistiu em desenvolver um Plano de Marketing e Internacionalização apoiados por uma consultoria no desenvolvimento do produto, Participação internacional, Produção de site, folhetos e apresentação comercial.

Este projeto surgiu da orientação estratégica da empresa para os mercados internacionais, e os trabalhos realizados tiveram como objetivo principal a análise detalhada dos vários mercados alvo (Espanha, Marrocos e Brasil), com vista ao início do processo de internacionalização na comercialização do software.

Os vários mercados foram devidamente estudados e definidas ações estratégicas para procura e prospeção de novos clientes e parceiros de negócio nessas localizações geográficas. Estas atividades tiveram como objetivo cativar potenciais clientes para a utilização e compra do software GEMAX.

Com o apoio do Portugal2020 no final do projeto a Âmago conseguiu  iniciar o seu processo de internacionalização e  enfrentar a sua concorrência internacional no mercado externo.

O incentivo FEDER correspondeu a aplicação da Taxa de 75% no valor de  14812.50€ aprovado em 19 Setembro de 2015, sobre o valor das despesas consideráveis elegíveis de 19750€ e calculada nos termos do estabelecimento no artigo 50º do RECI.

TRIBUNAL DE CONTAS – Maioria dos edifícios públicos não tem certificação energética

Posted on: Março 12th, 2018 by Catarina Vilão No Comments

Apesar de ser obrigatória por lei, apenas 12,5% dos edifícios do Estado têm a certificação energética. A entidade responsável por verificar estes casos não instaurou processos de contra-ordenação em seis anos.

Apenas 12,5% dos edifícios do Estado têm certificação energética apesar de ser obrigatória por lei, revela o Tribunal de Contas num relatório sobre a eficiência energética dos edifícios públicos. O mesmo documento avança que a entidade responsável pela verificação destes casos, a Direcção-Geral de Energia e Geologia, não instaurou nenhum processo de contra-ordenação em seis anos , apurou ainda o Tribunal de Contas.

A aplicação das directivas n.º 2010/31/UE, relativa ao desempenho energético dos edifícios públicos, e 2012/27/EU, relativa à eficiência energética, devia estar a ser monitorizada através do Barómetro de Eficiência Energética da Administração Pública, responsável por analisar os relatórios anuais dos organismos públicos em matéria de energia. No entanto, isso não acontece – o barómetro está em “fase de reformulação” há anos, o que coloca em causa o acompanhamento da execução do programa ECO.AP e o “apuramento da efectiva redução de consumos”, conclui o relatório do Tribunal de Contas, no relatório tornado público esta quinta-feira.

A abrangência e indeterminação sobre o plano de execução do ECO.AP – o Estado resolveu aplicar uma “abordagem alternativa” para reduzir os custos com energia, mas não responsabilizou nenhuma entidade pela execução – levou a que fossem celebrados apenas três contratos de gestão de eficiência energética com empresas de serviços energéticos, todos por municípios. O que indica que um número significativo de entidades da administração directa e indirecta do Estado não aplicaram medidas previstas pelo programa ECO.AP, nomeadamente “no que respeita à designação dos gestores locais de eficiência energética e à elaboração e implementação de planos de gestão de eficiência energética”.

Na auditoria realizada pelo Tribunal de Contas apurou-se que, nos seis anos do ECO.AP, a maioria das entidades e serviços “não enquadrados por contratos de gestão de eficiência energética” não cumpriram qualquer ponto do ECO.AP: “apenas 16,7% dos organismos da administração directa inquiridos dispunham de plano de acção, abrangendo 11,1% dos edifícios dos serviços centrais, percentagens mais elevadas no caso da administração indirecta, com 46,7% dos organismos e 36,8% dos edifícios. A situação de incumprimento é ainda maior nos serviços periféricos”, conclui o relatório.

O Tribunal de Contas verificou ainda que a esmagadora maioria dos edifícios do Estado não tinham certificação energética e, quando tinham, não aplicavam as recomendações. “Com efeito, não foi assinalado nenhum caso de execução das medidas preconizadas nos certificados em edifícios ocupados pela administração directa (11 edifícios certificados, de um total de 67), assinalando-se apenas quatro casos em edifícios ocupados pela administração indirecta (17 edifícios certificados, de um total de 97)”, lê-se no documento.

O mesmo relatório conclui que estes incumprimentos, quando identificados, não são sancionados. A falta de certificado é punível com coima; e cabe à Direcção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) instaurar e instruir processos de contra-ordenação. O Tribunal de Contas apurou que apesar de lhe terem sido comunicadas estas situações, nenhum processo foi instaurado. Quando confrontada, a DGEG diz que “instaurou processos de contra-ordenação e processos de averiguação”, apesar de não fornecer provas, e afirma que “não lhe foram comunicadas quaisquer situações de incumprimento por parte do sector do Estado”.

As situações de incumprimento que lhes foram chegando foram “sinalizadas e corrigidas pelas respectivas entidades públicas, não tendo dado origem a processos de contra-ordenação”, explicou a Direcção-Geral, quando confrontada pelo Tribunal de Contas.

Governo lança o Programa Casa Eficiente 2020 no montante de 200 milhões de euros

Posted on: Março 12th, 2018 by Catarina Vilão No Comments

imagem

Noticia do Gabinete do Ministro do Ambiente – Nota à comunicação Social  de 30 de Janeiro de 2018.

O Programa Casa Eficiente 2020 resulta da ambição do Governo Português de criar um sistema de incentivos à dinamização das obras de reabilitação e de melhoria de eficiência energética do parque habitacional nacional.
Este Programa consubstancia um importante instrumento de política pública enquadrada no âmbito do Programa Nacional de Reformas e dos compromissos assumidos por este Governo na promoção da habitação, da eficiência energética e ambiental do parque habitacional, e da dinamização do setor da reabilitação.
Através do Programa Casa Eficiente 2020, qualquer entidade (seja singular ou coletiva) poderá ter acesso a empréstimos com taxas de juro abaixo das praticadas no mercado para investimentos que beneficiem o desempenho ambiental dos edifícios habitacionais, incluindo intervenções que visem o aumento da eficiência energética e da utilização de energias renováveis para autoconsumo, a eficiência hídrica e a gestão de resíduos.
Vai estar disponível um montante global de 200 milhões de euros, dos quais 100 milhões são assegurados pelo Banco Europeu de Investimento (BEI), sendo os restantes 50% assegurados por bancos comerciais presentes no mercado nacional e aderentes ao Programa.
De acordo com o site do BEI, a aprovação da comparticipação do BEI ocorreu em outubro de 2017, tendo sido contratualizada, em dezembro, a primeira operação de financiamento com a Caixa Geral de Depósitos (CGD), enquanto primeiro intermediário financeiro aderente ao Programa. Encontram-se, assim, já disponíveis 60M€ dos 200M€ previstos para o Programa. A contratualização com os restantes parceiros ocorrerá nas próximas semanas.
Toda a informação de suporte ao Programa, incluindo um simulador e um módulo de suporte aos pedidos de financiamento que os beneficiários finais terão que formalizar junto da banca comercial aderente ao Programa, estará disponível no Portal Casa Eficiente, a disponibilizar pelo Governo, em parceria com a Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário, a partir do final do 1º trimestre deste ano. O Portal Casa Eficiente funcionará como um balcão virtual, no qual serão disponibilizadas informações como o tipo de obras financiadas, as poupanças estimadas ou as empresas habilitadas para os trabalhos.

GOVERNO LANÇA O PROGRAMA CASA EFICIENTE 2020 NO MONTANTE DE 200 MILHÕES DE EUROS

Posted on: Fevereiro 5th, 2018 by Catarina Vilão No Comments

 

eficiencia-energia-770x439_c

Ambiente Magazine by Ricardo Gonçalves | 30 Janeiro 2018 15:24

O Programa Casa Eficiente 2020 resulta da ambição do Governo Português de criar um sistema de incentivos à dinamização das obras de reabilitação e de melhoria de eficiência energética do parque habitacional português.

“Este Programa consubstancia um importante instrumento de política pública enquadrada no âmbito do Programa Nacional de Reformas e dos compromissos assumidos por este Governo na promoção da habitação, da eficiência energética e ambiental do parque habitacional, e da dinamização do setor da reabilitação”, refere o executivo em comunicado.

Através do Programa Casa Eficiente 2020, qualquer entidade (seja singular ou coletiva) poderá ter acesso a empréstimos com taxas de juro abaixo das praticadas no mercado para investimentos que beneficiem o desempenho ambiental dos edifícios habitacionais, incluindo intervenções que visem o aumento da eficiência energética e da utilização de energias renováveis para autoconsumo, a eficiência hídrica e a gestão de resíduos.

No Programa estará disponível um montante global de 200 milhões de euros, dos quais 100 milhões são assegurados pelo Banco Europeu de Investimento (BEI), sendo os restantes 50% assegurados por bancos comerciais presentes no mercado nacional e aderentes.

De acordo com o site do BEI, a aprovação da comparticipação do BEI ocorreu em outubro de 2017, tendo sido contratualizada, em dezembro, a primeira operação de financiamento com a Caixa Geral de Depósitos (CGD), enquanto primeiro intermediário financeiro aderente ao Programa. Encontram-se, assim, já disponíveis 60 milhões dos 200 milhões de euros previstos para o Programa. A contratualização com os restantes parceiros ocorrerá nas próximas semanas.

Toda a informação de suporte ao Programa, incluindo um simulador e um módulo de suporte aos pedidos de financiamento que os beneficiários finais terão que formalizar junto da banca comercial aderente ao Programa, estará disponível no Portal Casa Eficiente, a disponibilizar pelo Governo, em parceria com a Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário, a partir do final do 1º trimestre deste ano.

 

Posted on: Fevereiro 4th, 2018 by João Raposo No Comments

A  Âmago participou no Investor days Porto onde apresentou um dos seus casos de sucesso em Contratos de Desempenho Energético, o Hotel PESTANA VIKING estão a reduzir os custos de energia em mais 50%. A remodelação dos sistemas de Aquecimento, Arrefecimento, Aguas Quentes Sanitárias e Gestão Técnica Centralizada foi totalmente concebido, projetado e instalado pela ÂMAGO. A Manutenção, Condução e a Gestão de Energia do Hotel é também realizada pela ÂMAGO.

As inovações técnicas implementadas neste sistema com várias Recuperações de Calor permitiram produzir toda a Agua Quente Sanitária com o calor habitualmente deitado fora pelo Ar Condicionado, de tal forma que as caldeiras já não precisam de funcionar.

AMAGO NO INVESTOR DAYS PORTO

INVESTIMENTO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FOCO NO INVESTOR DAYS PORTO

Posted on: Janeiro 23rd, 2018 by Catarina Vilão No Comments

“Noticia da Revista Vida Imobiliária publicada 04.01.2018, jornalista Fernanda Cequeira”

INVESTIMENTO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FOCO NO INVESTOR DAYS PORTO

Depois do sucesso da iniciativa Investor Days Lisboa, a organização promove o Investor Days Porto, no dia 18 de janeiro, no Auditório da Ordem dos Engenheiros da Região Norte, numa sessão dedicada ao investimento em projetos de eficiência energética.

A iniciativa, organizada pela RdA – Climate Solutions e pelo Investor Confidence Project (ICP) Europe, com o apoio da BCSD e da Ordem dos Engenheiros, irá reunir especialistas em eficiência energética.

Dos proprietários e investidores passando pelos arquitetos e engenheiros, este encontro pretende «partilhar as melhores práticas» e reforçar a «importância da standardização no financiamento a projetos de eficiência energética de edifícios».

As oportunidades de financiamento de projetos de eficiência energética em Portugal e em Espanha, os elementos de avaliação do projeto, os processos de padronização de projetos e de angariação de clientes são alguns dos tópicos propostos para discussão.

Temas que serão abordados por um alargado painel de oradores que conta com a presença de representantes de algumas das empresas com maior expressão no setor das energias e da eficiência energética, entidades bancárias, de associações e entidades públicas. Além de Jorge Araújo (presidente da APESE), Elena González (ANESE), Sofia Santos (BCSD), Ricardo Sá (Edifícios Saudáveis), Rafael Gil (Soningeo), João Raposo (Âmago Energia Inteligente), João Durana (Ferrovial), Francisco Cruz (Siemens), Dave Worthington (Verco), José Carlos Nascimento (Porto Vivo), Bárbara Costa Pinto (Banco BPI), Alexander Rothlin (Susi Partners), Nuno Brito Jorge (GoParity), Fernando Garcia (Enerinvest), estarão também presentes o vice-presidente executivo da APPII, Hugo Santos Ferreira , o director-geral de Energia e Geologia, Mário Guedes e na qualidade de anfitriões Jorge Rodrigues de Almeida, da RdA Climate Solutions e diretor do ICP Europe, de Bento Aires, da Ordem dos Engenheiros Região Norte.

 

PORTUGAL2020 – VALE INOVAÇÃO

Posted on: Janeiro 22nd, 2018 by Catarina Vilão No Comments

 

PORTUGAL2020

De acordo com a Parceria adotada por Portugal e pela Comissão Europeia, PORTUGAL2020 a Âmago Energia Inteligente apresentou uma candidatura no Programa Operacional Regional do Algarve apoiada pelo FEDER com o Projeto Vale Inovação “Análise de Benchmarking e Re-organização dos Processos de Gestão da Âmago- Energia Inteligente”, ao qual foi aceite.

O mesmo consistiu em desenvolver uma análise de Benchmarking e Re-organização dos Processos de Gestão com a finalidade de orientar as estratégias da empresa, de forma a obter maior eficiência, eficácia e efectividade nas actividade operacionais e estratégicas da organização, reforçando assim a competitividade das pequenas e médias empresas.

Os trabalhos desenvolvidos no âmbito deste projeto com o incentivo do PORTUGAL2020 foram:

  1. Análise Estratégica
  2. Pesquisa de Boas praticas de controlo de gestão
  3. Identificação e caracterização dos Processos da organização
  4. Re-organização dos processos
  5. Concessão de Instrumentos / ferramentas de controlo de gestão
  6. Implementação de um sistema de controlo de gestão por KPI´s

Com o apoio do Portugal2020 no final do projeto a Âmago conseguiu reforçar os meios para monitorizar os principais objetivos estratégicos, melhorar a fiabilidade e a oportunidade das informações internas e externas, tendo como foco a satisfação do cliente e assegurar os meios operacionais fundamentais para potenciar os projetos de eficiência energéticas.

O incentivo FEDER correspondeu a aplicação da Taxa de 75% sobre o valor das despesas consideráveis elegíveis, calculada nos termos do estabelecimento no artigo 50º do RECI.

 

 

Posted on: Outubro 24th, 2017 by Catarina Vilão No Comments

CONTRATO DESEMPENHO ENERGÉTICO HOTEL PESTANA ALVORPARK

No âmbito do Contrato Desempenho Energético no Hotel Pestana AlvorPark, a Âmago – Energia Inteligente instalou painéis solares fotovoltaicos na cobertura do hotel com bastante sucesso.

Considerando que Portugal é um dos países europeus com maior exposição solar, e apesar do fácil acesso a esta principal fonte desse tipo de energia, o seu principal apelo é a questão sustentável. A energia solar é considerada uma energia limpa (pois não gera nenhum tipo de resíduo) e renovável, uma vez que a luz solar é uma constante no planeta e principalmente no Algarve.

Existem inúmeras vantagens para aquisição dos painéis solares fotovoltaicos, tais como, a sua longa duração, grande autonomia e forte resistência, tem uma manutenção simples e praticamente inexistente, alem de que a tecnologia fotovoltaica é silenciosa.

A recuperação do valor investido é feita em poucos anos e valoriza bastante qualquer imóvel.

 

IMG_20161128_144808IMG_20160729_160312

 

 

CONTACTOS

Rua Cinco de Outubro, nº 10
8500-581 Portimão

T.
(+351) 282 044 650
E.
amago@amago.pt

NEWSLETTER

image