NO ÂMAGO DAS BOAS FESTAS

Posted on: Dezembro 24th, 2018 by João Raposo No Comments

 

Agradecemos do nosso âmago a todos, contamos com todos vós para juntos sermos cada vez melhores e mais felizes no âmago da Eficiência Energética

A todos Boas Festas e melhores entradas

 

 

PORTUGAL2020 “Vale Internacionalização”

Posted on: Junho 25th, 2018 by Catarina Vilão No Comments

 

ALG-02-0752-FEDER-005211

De acordo com a Parceria adotada por Portugal e pela Comissão Europeia, PORTUGAL2020 a Âmago Energia Inteligente apresentou uma candidatura no Programa Operacional Regional do Algarve apoiada pelo FEDER com o Projeto “Plano Estratégico de Internacionalização do Software Gemax – Vale Internacionalização”, ao qual foi aceite.

O mesmo consistiu em desenvolver um Plano de Marketing e Internacionalização apoiados por uma consultoria no desenvolvimento do produto, Participação internacional, Produção de site, folhetos e apresentação comercial.

Este projeto surgiu da orientação estratégica da empresa para os mercados internacionais, e os trabalhos realizados tiveram como objetivo principal a análise detalhada dos vários mercados alvo (Espanha, Marrocos e Brasil), com vista ao início do processo de internacionalização na comercialização do software.

Os vários mercados foram devidamente estudados e definidas ações estratégicas para procura e prospeção de novos clientes e parceiros de negócio nessas localizações geográficas. Estas atividades tiveram como objetivo cativar potenciais clientes para a utilização e compra do software GEMAX.

Com o apoio do Portugal2020 no final do projeto a Âmago conseguiu  iniciar o seu processo de internacionalização e  enfrentar a sua concorrência internacional no mercado externo.

O incentivo FEDER correspondeu a aplicação da Taxa de 75% no valor de  14812.50€ aprovado em 19 Setembro de 2015, sobre o valor das despesas consideráveis elegíveis de 19750€ e calculada nos termos do estabelecimento no artigo 50º do RECI.

TRIBUNAL DE CONTAS – Maioria dos edifícios públicos não tem certificação energética

Posted on: Março 12th, 2018 by Catarina Vilão No Comments

Apesar de ser obrigatória por lei, apenas 12,5% dos edifícios do Estado têm a certificação energética. A entidade responsável por verificar estes casos não instaurou processos de contra-ordenação em seis anos.

Apenas 12,5% dos edifícios do Estado têm certificação energética apesar de ser obrigatória por lei, revela o Tribunal de Contas num relatório sobre a eficiência energética dos edifícios públicos. O mesmo documento avança que a entidade responsável pela verificação destes casos, a Direcção-Geral de Energia e Geologia, não instaurou nenhum processo de contra-ordenação em seis anos , apurou ainda o Tribunal de Contas.

A aplicação das directivas n.º 2010/31/UE, relativa ao desempenho energético dos edifícios públicos, e 2012/27/EU, relativa à eficiência energética, devia estar a ser monitorizada através do Barómetro de Eficiência Energética da Administração Pública, responsável por analisar os relatórios anuais dos organismos públicos em matéria de energia. No entanto, isso não acontece – o barómetro está em “fase de reformulação” há anos, o que coloca em causa o acompanhamento da execução do programa ECO.AP e o “apuramento da efectiva redução de consumos”, conclui o relatório do Tribunal de Contas, no relatório tornado público esta quinta-feira.

A abrangência e indeterminação sobre o plano de execução do ECO.AP – o Estado resolveu aplicar uma “abordagem alternativa” para reduzir os custos com energia, mas não responsabilizou nenhuma entidade pela execução – levou a que fossem celebrados apenas três contratos de gestão de eficiência energética com empresas de serviços energéticos, todos por municípios. O que indica que um número significativo de entidades da administração directa e indirecta do Estado não aplicaram medidas previstas pelo programa ECO.AP, nomeadamente “no que respeita à designação dos gestores locais de eficiência energética e à elaboração e implementação de planos de gestão de eficiência energética”.

Na auditoria realizada pelo Tribunal de Contas apurou-se que, nos seis anos do ECO.AP, a maioria das entidades e serviços “não enquadrados por contratos de gestão de eficiência energética” não cumpriram qualquer ponto do ECO.AP: “apenas 16,7% dos organismos da administração directa inquiridos dispunham de plano de acção, abrangendo 11,1% dos edifícios dos serviços centrais, percentagens mais elevadas no caso da administração indirecta, com 46,7% dos organismos e 36,8% dos edifícios. A situação de incumprimento é ainda maior nos serviços periféricos”, conclui o relatório.

O Tribunal de Contas verificou ainda que a esmagadora maioria dos edifícios do Estado não tinham certificação energética e, quando tinham, não aplicavam as recomendações. “Com efeito, não foi assinalado nenhum caso de execução das medidas preconizadas nos certificados em edifícios ocupados pela administração directa (11 edifícios certificados, de um total de 67), assinalando-se apenas quatro casos em edifícios ocupados pela administração indirecta (17 edifícios certificados, de um total de 97)”, lê-se no documento.

O mesmo relatório conclui que estes incumprimentos, quando identificados, não são sancionados. A falta de certificado é punível com coima; e cabe à Direcção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) instaurar e instruir processos de contra-ordenação. O Tribunal de Contas apurou que apesar de lhe terem sido comunicadas estas situações, nenhum processo foi instaurado. Quando confrontada, a DGEG diz que “instaurou processos de contra-ordenação e processos de averiguação”, apesar de não fornecer provas, e afirma que “não lhe foram comunicadas quaisquer situações de incumprimento por parte do sector do Estado”.

As situações de incumprimento que lhes foram chegando foram “sinalizadas e corrigidas pelas respectivas entidades públicas, não tendo dado origem a processos de contra-ordenação”, explicou a Direcção-Geral, quando confrontada pelo Tribunal de Contas.

Governo lança o Programa Casa Eficiente 2020 no montante de 200 milhões de euros

Posted on: Março 12th, 2018 by Catarina Vilão No Comments

imagem

Noticia do Gabinete do Ministro do Ambiente – Nota à comunicação Social  de 30 de Janeiro de 2018.

O Programa Casa Eficiente 2020 resulta da ambição do Governo Português de criar um sistema de incentivos à dinamização das obras de reabilitação e de melhoria de eficiência energética do parque habitacional nacional.
Este Programa consubstancia um importante instrumento de política pública enquadrada no âmbito do Programa Nacional de Reformas e dos compromissos assumidos por este Governo na promoção da habitação, da eficiência energética e ambiental do parque habitacional, e da dinamização do setor da reabilitação.
Através do Programa Casa Eficiente 2020, qualquer entidade (seja singular ou coletiva) poderá ter acesso a empréstimos com taxas de juro abaixo das praticadas no mercado para investimentos que beneficiem o desempenho ambiental dos edifícios habitacionais, incluindo intervenções que visem o aumento da eficiência energética e da utilização de energias renováveis para autoconsumo, a eficiência hídrica e a gestão de resíduos.
Vai estar disponível um montante global de 200 milhões de euros, dos quais 100 milhões são assegurados pelo Banco Europeu de Investimento (BEI), sendo os restantes 50% assegurados por bancos comerciais presentes no mercado nacional e aderentes ao Programa.
De acordo com o site do BEI, a aprovação da comparticipação do BEI ocorreu em outubro de 2017, tendo sido contratualizada, em dezembro, a primeira operação de financiamento com a Caixa Geral de Depósitos (CGD), enquanto primeiro intermediário financeiro aderente ao Programa. Encontram-se, assim, já disponíveis 60M€ dos 200M€ previstos para o Programa. A contratualização com os restantes parceiros ocorrerá nas próximas semanas.
Toda a informação de suporte ao Programa, incluindo um simulador e um módulo de suporte aos pedidos de financiamento que os beneficiários finais terão que formalizar junto da banca comercial aderente ao Programa, estará disponível no Portal Casa Eficiente, a disponibilizar pelo Governo, em parceria com a Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário, a partir do final do 1º trimestre deste ano. O Portal Casa Eficiente funcionará como um balcão virtual, no qual serão disponibilizadas informações como o tipo de obras financiadas, as poupanças estimadas ou as empresas habilitadas para os trabalhos.

GOVERNO LANÇA O PROGRAMA CASA EFICIENTE 2020 NO MONTANTE DE 200 MILHÕES DE EUROS

Posted on: Fevereiro 5th, 2018 by Catarina Vilão No Comments

 

eficiencia-energia-770x439_c

Ambiente Magazine by Ricardo Gonçalves | 30 Janeiro 2018 15:24

O Programa Casa Eficiente 2020 resulta da ambição do Governo Português de criar um sistema de incentivos à dinamização das obras de reabilitação e de melhoria de eficiência energética do parque habitacional português.

“Este Programa consubstancia um importante instrumento de política pública enquadrada no âmbito do Programa Nacional de Reformas e dos compromissos assumidos por este Governo na promoção da habitação, da eficiência energética e ambiental do parque habitacional, e da dinamização do setor da reabilitação”, refere o executivo em comunicado.

Através do Programa Casa Eficiente 2020, qualquer entidade (seja singular ou coletiva) poderá ter acesso a empréstimos com taxas de juro abaixo das praticadas no mercado para investimentos que beneficiem o desempenho ambiental dos edifícios habitacionais, incluindo intervenções que visem o aumento da eficiência energética e da utilização de energias renováveis para autoconsumo, a eficiência hídrica e a gestão de resíduos.

No Programa estará disponível um montante global de 200 milhões de euros, dos quais 100 milhões são assegurados pelo Banco Europeu de Investimento (BEI), sendo os restantes 50% assegurados por bancos comerciais presentes no mercado nacional e aderentes.

De acordo com o site do BEI, a aprovação da comparticipação do BEI ocorreu em outubro de 2017, tendo sido contratualizada, em dezembro, a primeira operação de financiamento com a Caixa Geral de Depósitos (CGD), enquanto primeiro intermediário financeiro aderente ao Programa. Encontram-se, assim, já disponíveis 60 milhões dos 200 milhões de euros previstos para o Programa. A contratualização com os restantes parceiros ocorrerá nas próximas semanas.

Toda a informação de suporte ao Programa, incluindo um simulador e um módulo de suporte aos pedidos de financiamento que os beneficiários finais terão que formalizar junto da banca comercial aderente ao Programa, estará disponível no Portal Casa Eficiente, a disponibilizar pelo Governo, em parceria com a Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário, a partir do final do 1º trimestre deste ano.

 

Posted on: Fevereiro 4th, 2018 by João Raposo No Comments

A  Âmago participou no Investor days Porto onde apresentou um dos seus casos de sucesso em Contratos de Desempenho Energético, o Hotel PESTANA VIKING estão a reduzir os custos de energia em mais 50%. A remodelação dos sistemas de Aquecimento, Arrefecimento, Aguas Quentes Sanitárias e Gestão Técnica Centralizada foi totalmente concebido, projetado e instalado pela ÂMAGO. A Manutenção, Condução e a Gestão de Energia do Hotel é também realizada pela ÂMAGO.

As inovações técnicas implementadas neste sistema com várias Recuperações de Calor permitiram produzir toda a Agua Quente Sanitária com o calor habitualmente deitado fora pelo Ar Condicionado, de tal forma que as caldeiras já não precisam de funcionar.

AMAGO NO INVESTOR DAYS PORTO

INVESTIMENTO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FOCO NO INVESTOR DAYS PORTO

Posted on: Janeiro 23rd, 2018 by Catarina Vilão No Comments

“Noticia da Revista Vida Imobiliária publicada 04.01.2018, jornalista Fernanda Cequeira”

INVESTIMENTO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FOCO NO INVESTOR DAYS PORTO

Depois do sucesso da iniciativa Investor Days Lisboa, a organização promove o Investor Days Porto, no dia 18 de janeiro, no Auditório da Ordem dos Engenheiros da Região Norte, numa sessão dedicada ao investimento em projetos de eficiência energética.

A iniciativa, organizada pela RdA – Climate Solutions e pelo Investor Confidence Project (ICP) Europe, com o apoio da BCSD e da Ordem dos Engenheiros, irá reunir especialistas em eficiência energética.

Dos proprietários e investidores passando pelos arquitetos e engenheiros, este encontro pretende «partilhar as melhores práticas» e reforçar a «importância da standardização no financiamento a projetos de eficiência energética de edifícios».

As oportunidades de financiamento de projetos de eficiência energética em Portugal e em Espanha, os elementos de avaliação do projeto, os processos de padronização de projetos e de angariação de clientes são alguns dos tópicos propostos para discussão.

Temas que serão abordados por um alargado painel de oradores que conta com a presença de representantes de algumas das empresas com maior expressão no setor das energias e da eficiência energética, entidades bancárias, de associações e entidades públicas. Além de Jorge Araújo (presidente da APESE), Elena González (ANESE), Sofia Santos (BCSD), Ricardo Sá (Edifícios Saudáveis), Rafael Gil (Soningeo), João Raposo (Âmago Energia Inteligente), João Durana (Ferrovial), Francisco Cruz (Siemens), Dave Worthington (Verco), José Carlos Nascimento (Porto Vivo), Bárbara Costa Pinto (Banco BPI), Alexander Rothlin (Susi Partners), Nuno Brito Jorge (GoParity), Fernando Garcia (Enerinvest), estarão também presentes o vice-presidente executivo da APPII, Hugo Santos Ferreira , o director-geral de Energia e Geologia, Mário Guedes e na qualidade de anfitriões Jorge Rodrigues de Almeida, da RdA Climate Solutions e diretor do ICP Europe, de Bento Aires, da Ordem dos Engenheiros Região Norte.

 

PORTUGAL2020 – VALE INOVAÇÃO

Posted on: Janeiro 22nd, 2018 by Catarina Vilão No Comments

 

PORTUGAL2020

De acordo com a Parceria adotada por Portugal e pela Comissão Europeia, PORTUGAL2020 a Âmago Energia Inteligente apresentou uma candidatura no Programa Operacional Regional do Algarve apoiada pelo FEDER com o Projeto Vale Inovação “Análise de Benchmarking e Re-organização dos Processos de Gestão da Âmago- Energia Inteligente”, ao qual foi aceite.

O mesmo consistiu em desenvolver uma análise de Benchmarking e Re-organização dos Processos de Gestão com a finalidade de orientar as estratégias da empresa, de forma a obter maior eficiência, eficácia e efectividade nas actividade operacionais e estratégicas da organização, reforçando assim a competitividade das pequenas e médias empresas.

Os trabalhos desenvolvidos no âmbito deste projeto com o incentivo do PORTUGAL2020 foram:

  1. Análise Estratégica
  2. Pesquisa de Boas praticas de controlo de gestão
  3. Identificação e caracterização dos Processos da organização
  4. Re-organização dos processos
  5. Concessão de Instrumentos / ferramentas de controlo de gestão
  6. Implementação de um sistema de controlo de gestão por KPI´s

Com o apoio do Portugal2020 no final do projeto a Âmago conseguiu reforçar os meios para monitorizar os principais objetivos estratégicos, melhorar a fiabilidade e a oportunidade das informações internas e externas, tendo como foco a satisfação do cliente e assegurar os meios operacionais fundamentais para potenciar os projetos de eficiência energéticas.

O incentivo FEDER correspondeu a aplicação da Taxa de 75% sobre o valor das despesas consideráveis elegíveis, calculada nos termos do estabelecimento no artigo 50º do RECI.

 

 

Posted on: Outubro 24th, 2017 by Catarina Vilão No Comments

CONTRATO DESEMPENHO ENERGÉTICO HOTEL PESTANA ALVORPARK

No âmbito do Contrato Desempenho Energético no Hotel Pestana AlvorPark, a Âmago – Energia Inteligente instalou painéis solares fotovoltaicos na cobertura do hotel com bastante sucesso.

Considerando que Portugal é um dos países europeus com maior exposição solar, e apesar do fácil acesso a esta principal fonte desse tipo de energia, o seu principal apelo é a questão sustentável. A energia solar é considerada uma energia limpa (pois não gera nenhum tipo de resíduo) e renovável, uma vez que a luz solar é uma constante no planeta e principalmente no Algarve.

Existem inúmeras vantagens para aquisição dos painéis solares fotovoltaicos, tais como, a sua longa duração, grande autonomia e forte resistência, tem uma manutenção simples e praticamente inexistente, alem de que a tecnologia fotovoltaica é silenciosa.

A recuperação do valor investido é feita em poucos anos e valoriza bastante qualquer imóvel.

 

IMG_20161128_144808IMG_20160729_160312

 

Âmago ajuda hotelaria a poupar energia – Artigo do Semanário Regional do Algarve Barlavento de 19 de Outubro 2017

Posted on: Outubro 20th, 2017 by Catarina Vilão No Comments

P14 P15

Empresa criada em 2008 tem vindo a crescer na área das soluções eficientes para a poupança energética.  Sistemas que permitem aos empresários hoteleiros poupar milhares de euros anualmente

Eficiência energética é uma expressão que começou a estar nas contas de quem quer poupar muitos euros nas contas ao fim do mês. A Âmago é uma empresa, localizada em Portimão, que permite ajudar na tarefa de encontrar soluções, instalando sistemas ou medidas com base nesse objetivo. O principal foco a nível de clientes são os grandes edifícios, em particular da hotelaria, e é nesta área que a empresa, administrada por João Raposo, está a dar cartas.

«Estamos muito focados nos edifícios de serviços, hotéis, centros comerciais, escolas, hospitais, e não tanto na habitação, embora também façamos Certificação Energética para particulares. A nossa grande especialidade são os imóveis de grande dimensão», contou ao «barlavento» João Raposo, administrador e fundador da Âmago.

Aluno da primeira geração do Instituto Politécnico de Faro do curso que, na altura, se denominava Engenharia Térmica, o empresário conta com uma equipa de sete técnicos, engenheiros e arquiteto, que encontrou uma nova forma de crescer no mercado, ao dedicar-se sobretudo às necessidades da indústria hoteleira.

O negócio nasceu em 2008, na altura, muito centrado na novidade da Certificação Energética. A crise, que a partir desse ano afetou a construção civil, trouxe levou a Âmago a diversificar o seu core business.

Cada vez que a equipa emitia um Certificado Energético, apoiado por um relatório detalhado com medidas para tornar o edifício mais eficiente, João Raposo notava que os clientes ficavam com o papel, que era, em alguns casos, apenas uma formalidade necessária para uma escritura ou para financiamentos. Na prática, pouco ou nada faziam para implementar as sugestões. «No fundo, não estávamos a implementar eficiência energética, nem a conseguir poupanças», contou.

João Raposo resolveu, então, apostar num modelo de negócio para edifícios de maior dimensão que, apesar de ser novidade em Portugal, nessa altura, já não o era nos Estados Unidos da América ou no resto da Europa.

«Apresentávamos um relatório, resultado de uma auditoria energética, que estimava que um investimento na ordem dos 300 mil euros levaria à poupança de 100 mil euros por ano. Estaria pago em três anos», exemplificou.

O problema, até acentuado pela crise, é que o cliente duvidava, muitas vezes, se o investimento que teria de fazer, se traduziria, na prática, na amortização e poupança apresentados pela empresa. «Nós temos tanta confiança e segurança de que estas estimativas são corretas, que estou disposto a arranjar o dinheiro e a fazer as obras. O cliente vai pagando em função das poupanças que daí resultam», garantiu o fundador da Âmago. Este processo dá pelo nome de «Contrato de Desempenho Energético».

À cabeça, desses 100 mil euros, o cliente recebe logo 10 por cento, começando a poupar sem gastar nada.

«Faturamos 90 por cento e, em vez de ser três anos, vai ser um período de quatro, cinco ou sete, o que nos permitirá rentabilizar o investimento, contando com uma margem para nós e com o facto de termos de pagar os juros do financiamento», revelou o empresário. Ou seja, o cliente não corre riscos, obtém um edifício com eficiência energética feito por uma equipa especialista e tem a garantia de resultados.

O primeiro teste aos contratos de desempenho energético efetuados pela Âmago foi implementado no Pestana Dom João II Beach Resort, em Alvor, que, estando a ser faturado desde 2014, consegue poupanças na ordem dos 25 por cento. Foi o primeiro contrato no Algarve e o segundo em todo o país.

 

Aliás, o grupo hoteleiro já apostou em contratos de desempenho energético também no Pestana Viking Beach & SPA Resort, em Armação de Pêra, onde a empresa está a conseguir reduções de energia que rondam os 40 a 45 por cento.

Já o terceiro contrato foi firmado com o Pestana Alvor Park, a primeira unidade onde foram montados também painéis fotovoltaicos. Está também em vista a implementação de mais contratos.  Foi com o primeiro contrato de desempenho energético que a empresa concorreu ao Fundo de Apoio à Inovação (FAI) e venceu. «Fomos os que mostramos que conseguíamos obter mais poupanças e, por isso, ganhámos o direito de nos emprestarem dinheiro. São 70 por cento do total que precisávamos. Ou seja de 388 mil euros, recebemos 270. Esta aprovação ofereceu-nos um ano de carência e três anos para devolver o dinheiro emprestado, sem juros», disse.

O foco na hotelaria é interessante, sendo esta uma indústria exposta a muitos desafios, como a sazonalidade. «Não podem desligar tudo e manter o hotel em funcionamento. Há unidades que gastam muita energia nos meses de inverno em aquecimento, porque têm que manter as zonas comuns aquecidas, mesmo quando tem dez ou quinze por cento de ocupação. E custa o mesmo com altas ou baixas receitas.

Ao contrário do que acontecia num passado recente, a instalação de sistemas eficientes de aquecimento, ventilação e ar condicionado (AVAC) é hoje um ramo especializado da engenharia, visto que o conforto térmico dos edifícios é determinante para a poupança de energia. Esta é também uma vertente que a Âmago tem desenvolvido.

«Nos projetos de edifícios novos tentamos reduzir os consumos com a utilização de materiais, colaborando com a arquitetura, jogando, por exemplo com as janelas e isolamentos térmicos. Depois de otimizarmos o edifício a nível térmico, vamos complementar as necessidades de climatização ou ventilação», tirando partido das energias renováveis sempre que possível, acrescentou. «O mínimo legal para a certificação energética de um projeto, num edifício novo é B-. No entanto, tentamos que seja sempre o mais elevado possível, desde que haja vontade do Arquiteto e do Dono de Obra».

 

Monitorizar é essencial

 

Ao implementar Contratos de Desempenho Energético, a Âmago tem que garantir que as poupanças são reais, por isso torna-se fundamental, a monitorização das medidas e sistemas de eficiência energética. «Analisamos os consumos diários ou, às vezes, de hora a hora. Tudo para que não haja anomalias. Se houver uma fuga de água ou um consumo anormal somos alertados por email e SMS. Sempre que algum dos valores foge demasiado ao normal, o sistema avisa», detalhou o responsável pela Âmago.

João Raposo consegue ver num computador como está a funcionar o sistema em determinado local em tempo real. Tomando como exemplo o Pestana Viking Beach & SPA Resort, em Armação de Pêra, ou o Pestana Dom João II Beach Resort, em Alvor, o empresário mostrou ao «barlavento», no escritório em Portimão, que basta carregar num botão para ligar a climatização dum local. É a Gestão Técnica Centralizada.

«Os hotéis grandes costumam ter um sistema central de arrefecimento. Por exemplo, a água sai a sete graus e volta a doze. A razão das elevadas poupanças que estamos a ter no Viking é que estas temperaturas oscilam. O ar condicionado ao fazerem frio no interior, deitam fora calor para o exterior. Mas podemos aproveitar esse calor, por exemplo, para produzir água quente sanitária, explicou.

O hotel tem quatro depósitos com capacidade individual de cinco mil litros de água e consegue aquecê-la de forma quase gratuita. «As caldeiras a gasóleo, no verão, estão paradas. Antes trabalhavam 12 horas por dia, agora estão ligadas vinte minutos. E é uma redução de custos brutal», justificou.

Esta gestão de energia passou por um período de muita afinação e de avaliação das necessidades do hotel e este é um tipo de trabalho que nem todas as empresas «da nossa especialidade sabem fazer ou têm segurança suficiente» para fazê-lo.

Foi também essencial mudar alguns comportamentos para chegar à eficiência desejada, sem que a qualidade dos serviços aos clientes seja alterada. «Nos edifícios há horas em que a energia é mais cara. Tipicamente é das 9h00 ao 12h30. As bombas das piscinas, por exemplo, no verão têm que trabalhar o dia todo, mas no inverno podem ser desligadas nessas horas. Houve um dia que alguém começou a usar energia naquele contador, fomos alertados pelo sistema e fomos ver o que se passava. Eram os mergulhadores que usavam a máquina para encher as garrafas de mergulho. Explicamos que se não houvesse inconveniente deveriam fazer aquela tarefa à tarde, por causa dos custos de energia.

 

Âmago criou o software Gemax para manutenção dos hotéis

 

Na hotelaria, um edifício normal costuma ter dezenas ou centenas de quartos, locais diversos e muitos equipamentos que necessitam de manutenção para prevenir gastos inconvenientes. O sistema de manutenção Gemax, criado pela Âmago, colmata a necessidade que as empresas do sector sentem, no que diz respeito ao Plano de Manutenção dos imóveis ou Registo de Ocorrências.

«Para obter um certificado energético é obrigatório ter um Plano de Manutenção, corretivo e preventivo. Tal como o Registo de Ocorrências, pois deve estar registado todo o histórico de intervenção nos equipamentos de climatização, que a legislação obriga. Pode ser uma folha de papel, um documento Word, mas poucos o fazem», resumiu. Assim, em 2010, o empresário analisou um conjunto de softwares de manutenção existentes no mercado, mas chegou à conclusão ou que eram desenvolvidos para fábricas ou grandes navios da Marinha Mercante e eram programas muito complicados e pesados.

Lançou mãos à obra e desenvolveu um conceito simples e versátil, em conjunto com o Eng. Tiago Pinto, que trabalha na Âmago e uma equipa de programadores para desenvolverem o produto.

Daí resultou um programa já instalado em todas as Pousadas de Portugal do grupo Pestana em 2012, tendo sido alargado às outras unidades do Grupo em Portugal Continental e Ilhas, em maio de 2016. São cerca de 65 unidades, tendo sido um grande passo para a empresa de Portimão.

«Esse é outro pilar que permite atacar um dos aspetos da eficiência energética, que é a manutenção preventiva dos equipamentos. Se os filtros forem limpos periodicamente, as correias e as lubrificações monitorizadas, as máquinas vão funcionar melhor, consumir menos energia e ter menos avarias», argumentou João Raposo.

Em qualquer altura, os técnicos de manutenção de um hotel «podem saber que intervenções se fizeram naquela máquina, naquele quarto ou na caldeira», e quando, mostrou. Na prática, qualquer pessoa que trabalhe no hotel recebe um pedido de trabalho ou um reporte de uma avaria. É enviada uma SMS ao técnico ou uma notificação e, em função da urgência, ele gere as tarefas. «Uma pessoa insere no programa que no quarto 203 o ar condicionado não funciona. O técnico da manutenção vai arranjar e, no final, regista no sistema o que fez. Gere as tarefas diárias e os espaços passam a ter um histórico de intervenções, o que permite identificar um problema recorrente», detalhou.

O programa está em funcionamento e em continuo desenvolvimento, estando a prepará-lo para as aplicações móveis.

 

Portimonenses concorrem com os grandes da energia

 

«Somos a única empresa no Algarve completamente dedicada à eficiência energética. Podíamos fazer outro tipo de projetos ligados à engenharia, mas não queremos. Neste momento, efetuamos três serviços diferenciados. Há mais empresas no país, mas a nível de serviços de energia, nestes moldes, apenas há 41 empresas registadas na Direção Geral de Energia», referiu o empresário. Concorrem lado a lado com grandes insígnias como a EDP, a Galp. «Somos pequenos, muito competitivos, conseguimos obter mais poupanças que os outros e conseguimos atingir as poupanças a que nos propomos. E essa é a nossa grande diferença», afirmou satisfeito o fundador da empresa.

 

Empresa algarvia chega além fronteiras

 

O grupo Pestana é o cliente da empresa portimonense com maior volume de edifícios a requisitar os serviços de eficiência energética. No entanto, a Âmago tem, nos nove anos de história, conquistado diversos projetos. Na cidade onde está sediada, o grupo de técnicos trabalhou na requalificação do edifício Mabor, perto da zona ribeirinha, para o qual efetuou os projetos térmicos em parceria com outra empresa da área da engenharia civil e arquitetura. Nesse caso, foi necessário a equipa aproveitar o imóvel existente para implementar as medidas de eficiência energética. «Fez-se quase tudo, desde mudar os envidraçados à colocação de sistemas solares», revelou João Raposo, responsável pela Âmago.

No mesmo concelho, o empresário efetuou o Certificado Energético do HOTEL PESTANA RACE junto ao Autódromo Internacional do Algarve, bem como «alguns trabalhos com a cadeia do Hotel Júpiter, que tem unidades em Lisboa e Portimão». No resto do país, como Lisboa, Viseu, Bragança, Ilha da Madeira ou São Tomé e Príncipe, contam criação de medidas de Eficiência Energética. São grupos hoteleiros na grande capital, edifícios de escritórios, escolas privadas, supermercados e hipermercados. «Há outras cadeias que ainda não estão muito sensíveis a este assunto, pois trabalham com margens mais apertadas, mas, por exemplo, o grupo Sonae tem um sistema especial feito pela própria marca», explicou. Já as entidades públicas, como as Câmaras Municipais, acabam por se deparar com limitações legais que tornam complicado atuar nestes modelos de contratos de desempenho energético. No horizonte estão na calha projetos no sul de Espanha.

 

Investir para poupar em casa

 

A maioria das dicas de poupança de energia na utilização doméstica já são conhecidas pela maioria das pessoas, mas nunca será demais voltar a enumerar algumas. João Raposo, fundador da Âmago, contou que os contratos que a empresa desenvolve são mais adaptados a outros sectores como a hotelaria e serviços ou edifícios de grande dimensão do que aos particulares. «Conseguimos contratos de desempenho energético de cinco anos, até porque mais do que isso torna o peso dos juros mais elevado. E a nível doméstico, é difícil obter prazos semelhantes, pois depende muito do uso que as pessoas dão aos equipamentos e, como são quantidades de energia muito baixas, não justifica para nós enquanto empresa». Apesar de não ser uma medida para particulares, o empresário incentiva as pessoas a fazerem investimentos em soluções de eficiência energética do próprio bolso, pois «a cinco ou seis anos vai compensar». «Em habitação, o solar-térmico ou mesmo o fotovoltaico, se houver condições, ainda que seja só 1500 watts compensa. O auto-consumo, neste caso, tem que ser muito cuidado, porque, regra geral, não estamos em casa durante o dia», alertou. Ou seja, há que verificar primeiro qual o consumo habitual dos equipamentos que estão sempre ligados (frigorífico, arca congeladora). «Às vezes, basta ter 200 ou 300 watts, que é um painel ou dois, e já equilibra. Mais pode ser um desperdício, pois depois não se consegue vender à EDP ou, se conseguir (acima dos 1500 watts é possível), é a tarifas muito baixas de quatro ou cinco cêntimos», avisou. No entanto, se a habitação for maior, com bombas de piscina e sistema de rega, um investimento maior em energia fotovoltaica compensará. Outros exemplos são a utilização de lâmpadas Light Emitting Diode (LED) nas divisões onde a luz está ligada por maiores períodos (cozinha ou sala de estar), a colocação de redutores de caudal nas torneiras, a troca de equipamentos com mais de dez anos. «Fiz as contas na minha casa e vi que se trocasse o frigorífico poupava cem euros por ano. Um novo, se for 700 euros, está pago em sete anos. E se for estimado, dura muito tempo. Na minha opinião, frigoríficos com dez anos, hoje já compensa trocar», concluiu.

 

Certificação energética só está no terreno há oito anos

 

A reviravolta nesta área começou em 2006, quando foi criada a legislação acerca da certificação energética. No entanto, só após três anos é que esta começou a ser implementada na prática nos edifícios. Entretanto, em agosto de 2013, a legislação seria revista, entrando em vigor em janeiro do ano seguinte. Esta temática já conta, hoje, com um decreto de lei, revisto quatro vezes, quase uma dezena de portarias, doze despachos e quatro ou cinco erratas, explicou o empresário João Raposo.

E quando a questão é a poupança de custos na energia, o assunto toca na situação das ajudas estatais, incentivos e subsídios. «Existe o Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR), a nível da União Europeia» com fundos a que as empresas, Estado e Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) se podem candidatar. Uma medida que contou com atrasos na implementação, pois «a União Europeia sentiu necessidade de corrigir alguns aspetos a nível da legislação energética por não estarem de acordo com o espírito da Diretiva Europeia. Por isso, houve quatro alterações», afirmou.

 

 

 

CONTACTOS

Rua Cinco de Outubro, nº 10
8500-581 Portimão

T.
(+351) 282 044 650
E.
amago@amago.pt

NEWSLETTER

image